Menu fechado

“Lucíola” – análise da obra de José de Alencar

– Leia o resumo de Lucíola

Amor físico versus amor espiritual
A obra de José de Alencar pode ser dividida em quatro grupos. O primeiro deles, os romances indianistas, produziu grande parte das maiores obras, não só de sua carreira, como da literatura brasileira. Dentre elas, podemos citar Iracema, O Guarani e Ubirajara.

Já no segundo grupo, o dos romances históricos, encontram-se obras como Minas de Prata e Guerra dos Mascates. O terceiro grupo nasce da vivência nas grandes cidades e da luta entre o espírito conterrâneo e a invasão estrangeira: são os chamados romances urbanos de Alencar. Dentre eles, podemos citar Lucíola, Diva e A pata da Gazela.

Por fim, temos o quarto grupo de romances do escritor: os romances regionalistas. Dentre as obras deste período, podemos citar O Gaúcho, O Tronco do Ipê e Til. Esta nova fase na obra de José de Alencar nasce da busca de uma nova identidade nacional. Após a independência política do Brasil, os escritores românticos param de buscar na figura idealizada do índio o modelo de brasilidade. Agora, o “ser brasileiro” não se encontra mais na floresta, entre rios e animais selvagens, mas sim nas cantigas do povo, nas fazendas e até mesmo na corte.

Nos romances urbanos, José de Alencar procurou registrar os padrões de comportamento e valores da sociedade que estava em transformação no período do Segundo Império. Alencar percebeu que a sociedade era movida principalmente pelo dinheiro e estava preocupada com o status social que o poder aquisitivo dava. Nas obras dessa fase, há um conflito entre o indivíduo e esta sociedade.

No caso de Lucíola, porém, este conflito é realçado, uma vez que estes valores e preconceitos estão enraizados nos próprios protagonistas. Assim, o conflito não se dá somente entre o indivíduo e a sociedade, mas também dentro do próprio indivíduo. Porém, para que haja uma redenção da personagem conflituosa (no caso, Lúcia), tem que haver castigo e autopunição, pois ela mesma afirma os preconceitos contra o grupo social ao qual pertence (o das cortesãs).

Esse moralismo também está presente na figura de Paulo (amor de Lúcia), e isto fica explicitado logo no início do romance: por haver uma jovem presente na sala, ele não conta sua história de amor com Lúcia para G.M. pessoalmente e resolve faze-lo por carta. Além disso, Paulo aparece como uma figura bipartida dentro do romance: um seria o Paulo-personagem, e outro seria o Paulo-narrador. Ao contar sua história, o Paulo-narrador não o faz de modo a repensar os fatos ocorridos de uma posição superior, ou seja, com os olhos do presente. Ao contrário, ele narra com os olhos do Paulo-personagem, isto é, conta sua história como se ela estivesse acontecendo naquele momento, com as emoções e sentimentos vividos durante os fatos narrados. Por conta disso, não há um distanciamento e nem uma postura autocrítica por parte do narrador. Assim, a responsabilidade sobre o que é narrado (visão sobre os fatos, as pessoas, etc.) recai inteiramente em Paulo, que é uma personagem completamente incapaz perante Lúcia.

Essa incapacidade de Paulo perante Lúcia decorre da dissociação entre o amor físico e o amor espiritual, que é a dicotomia sobre a qual o romance é estruturado. Esse par de opostos é fundamentado em uma concepção romântica de amor e gera uma série de preconceitos dentro de uma sociedade patriarcal, uma vez que o amor espiritual é aceito perante a sociedade, ao contrário do amor físico, que é condenado. Assim, a incompreensão entre Paulo e Lúcia ocorre porque em um primeiro momento a relação deles é fundamentada em um amor físico, carnal, e isso se torna um obstáculo para uma união plena entre os dois.

Assim, ao longo do romance haverá uma transformação em Paulo e Lúcia para que os dois possam consumar de fato seu amor. Por um lado, Paulo irá perder um pouco de sua inocência e irá cometer erros levado pelo orgulho – sendo que irá reconhecer suas falhas e pedir perdão. Por sua vez, Lúcia será “purificada”, deixando de ser a cortesã para redescobrir a adolescente virgem e pura que fora um dia. A medida em que estas transformações vão ocorrendo, Lúcia irá negar outros homens e passará a se dedicar apenas a Paulo; porém, quando ela se purifica totalmente e volta a ser a Maria da Glória, Lúcia irá se abster totalmente de contato físico e irá negar até a Paulo um simples beijo.

Porém, Lúcia ainda não pode ser completamente perdoada, pois a sociedade não esquece, e ela sofre uma autopunição: Lúcia morre por causa do filho que ela teve com Paulo, fruto de um amor físico proibido – uma vez que eles ainda não haviam atingido o “amor espiritual” quando o conceberam. Assim, só através da aniquilação do corpo pecaminoso é que Paulo e Lúcia puderam se unir eternamente e a redenção de Lúcia pode ser alcançada.

Foco narrativo
“Lucíola” é narrado em primeira pessoa, possuindo portanto um foco narrativo mais limitado. Assim, a história é vista a partir da perspectiva particular do indivíduo (no caso, Paulo), que participa dos acontecimentos ali narrados e que está sujeito a ver esses mesmos acontecimentos de acordo com a ótica que a sociedade impõe.

Comentário do professor
O prof. João Amalio Ribas (Joãozinho), do Colégio Acesso de Curitiba (PR), frisa que, embora “Lucíola” seja um dos mais importantes romances da estética romântica, essa obra convive de forma problemática com a estética da qual faz parte. Em primeiro lugar, isso é porque a heroína de Lucíola é uma cortesã, o que foge da idealização romântica de heroína. Em segundo lugar, há nessa obra um retrato ácido/crítico da sociedade carioca do Segundo Império, não entrando em consonância com a literatura de “diversão” dessa época, explica o prof. Joãozinho.

Porém, “Lucíola” ainda deve ser considerada uma obra romântica porque a heroína Lúcia ainda é uma personagem idealizada. Ao longo da narrativa, ela vai se transformando de mulher fatal e demoníaca em uma mulher angelical, doce, insegura e apaixonada, o que corresponde ao ideal romântico da heroína. Essas duas facetas da mulher, a mulher anjo versus a mulher demônio, é explicitada também na duplicidade nominal da personagem: há Lúcia, que exala sensualidade e é a mulher fatal; e Maria da Glória, que representa a mulher sensível, meiga, frágil e corresponde ao estereótipo romântico.

Além disso, o prof. Joãozinho lembra que o enredo de Lucíola é muito parecido com o de A dama das camélias, do escritor francês Alexandre Dumas. José de Alencar deixa essa referência muito clara na obra fazendo com que a personagem Lúcia leia A dama das camélias dentro do romance Lucíola. Conforme explica o prof. Joãozinho, a intensão do autor é estabelecer uma estética genuinamente brasileira, mas que esteja equiparada à estética literária europeia.

Outro ponto interessante ao qual deve-se estar atento é que há um “fingimento de realidade”: a história narrada em Lucíola teria de fato acontecido e teria sido transmitida ao escritor da obra (no caso a Sra. G. M.) através de cartas. Por fim, o prof. Joãozinho frisa que o título do livro também é um ponto importante e que merece atenção. Quem deu esse título à obra seria a Sra. G.M. e ela explica o porquê de “Lucíola” no prólogo do livro: “Lucíola” seria um inseto que vive na escuridão à beira dos charcos, e que brilha com uma luz muito intensa. Assim, esse inseto seria como Lúcia, que vive dentro da escuridão, mas que conserva dentro de si uma alma pura.

Artigo Original

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *