Menu fechado

Maia diz que cobrança por reforma administrativa não visa a desgastar governo

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse no início da tarde desta 2ª feira (17.ago.2020) que os pedidos pelo envio da reforma administrativa não são para desgastar o governo federal.

A reforma administrativa, se realizada, deverá reduzir benefícios de funcionários públicos. O governo federal reluta em enviar o projeto ao Congresso por causa do potencial de estresse político que o projeto causará com servidores.

Rodrigo Maia quer fazer a proposta tramitar, e cobra que o Planalto a remeta à Câmara. “Nós vamos continuar torcendo e trabalhando para que o governo entenda que nós não estamos querendo a reforma para desgastar o governo, para prejudicar o governo, muito pelo contrário”, disse o deputado.

Maia falou em entrevista à TV Tropical, afiliada à Record no Rio Grande do Norte.

“Nós entendemos que essas reformas fortalecem o governo, independente de quem esteja presidindo“, afirmou o deputado.

Atualmente, a Câmara discute junto com o Senado a reforma tributária. O debate ficou parado por causa da pandemia, mas foi retomado. Em julho, o governo enviou a 1ª fatia de sua proposta de reforma.

Maia afirmou que há 1 “ciclo” de 12 meses para as discussões no Congresso antes de as eleições de 2022 contaminarem os debates.

“Nós temos aí 1 ciclo de 12 meses. A partir do ano que vem, do 2º semestre, as decisões já começam a ser mais influenciadas pelo processo eleitoral de 2022. Por isso que é importante que a gente consiga avançar bem na tributária neste ano. Que a gente comece o debate, se o governo encaminhar, da administrativa”, declarou Rodrigo Maia.

O presidente da Câmara também disse que não há preocupação sobre a paternidade do auxílio emergencial de R$ 600. A popularidade do presidente Jair Bolsonaro tem aumentado, puxada pela avaliação dos beneficiários do auxílio.

O projeto de auxílio enviado pelo governo ao Congresso era de R$ 200. Na tramitação, subiu para R$ 600.

“Não estamos preocupados com paternidade, com quem ganhou politicamente. O importante é que a gente sabe que atendemos milhões de brasileiros, talvez na pior crise econômica dos últimos 100 anos em nosso país”, disse o presidente da Câmara.

O benefício, porém, aproxima-se do fim. O governo não tem condições de manter o gasto permanentemente (cerca de R$ 50 bilhões por mês). “Agora ele vai acabar, e o governo vai ter que apresentar alguma proposta [para substituí-lo], afirmou Maia.

O Planalto formata 1 novo auxílio chamado Renda Brasil, que deverá abarcar todos os programas existentes, incluindo o Bolsa Família. Ainda não são conhecidos, porém, detalhes desse novo benefício.

O presidente da Câmara também disse que não é o momento adequado para decidir sobre os pedidos de impeachment contra Jair Bolsonaro. O foco deveria ser na pandemia, afirmou ele. Maia tem a prerrogativa de dar andamento ou arquivar os procedimentos.

Continuar lendo

Artigo Original

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *