Menu fechado

Só falta queimarem Daniel Alves no São Paulo | Blogs

Andrés Sanchez

Andrés Sanchez
Gazeta Press

A força

Tudo que o Corinthians conseguiu, após o rebaixamento, teve influência de Andrés Sanchez.

É possível debater os métodos, a administração, mas nunca separar o cartola de todos os resultados.

Por ser o sucessor de Wadi Helu, Vicente Matheus e Alberto Dualib como político mais influente no Parque São Jorge, seus candidatos foram eleitos presidentes do clube.

Roberto de Andrade e Mário Gobbi, eleitos com apoio do cartola, romperam com o mesmo ao longo de suas gestões.

A era Tite, a formatação de uma ideia de jogo, os técnicos Mano e Carille, a tentativa com Thiago Nunes, os sucessos e fracassos passaram, direta ou indiretamente, por escolhas do dirigente.

A crítica

A fase atual tem sido a mais crítica do cartola. Até as organizadas que, outrora, nos momentos ruins em campo protestavam sem falar de Andrés, hoje reclamam do presidente.

Não lhes tiro a razão, mesmo que pareçam contraditórias, pois a lista de êxitos do longevo grupo de situação do Corinthians merece elogios.

Além de estaduais e da Copa do Brasil, obteve três campeonatos brasileiros, a inédita Libertadores e o Mundial, que poderiam garantir a idolatria quase intocável da torcida.

Mas a mesma percebeu que a instituição paga o preço.

Menos influente

A união de  Andrés com Ricardo Teixeira, administrador de métodos discutíveis, uma espécie de antigo ‘dono’ de nosso futebol, mais os cerca de 30 milhões de adeptos, deveriam redundar numa hegemonia longa ou, na hipótese que planejaram, na espanholização, a polarização com o Flamengo.

Mas o cenário foi desenhado com outros contornos.

O baile

O time da Gávea mostrou paciência, capacidade, dialogou abertamente  sobre os problemas com seus 40 milhões de torcedores, recuperou suas finanças e, por méritos, desfruta do sucesso por acertar.

Enquanto se arrumou, o Corinthians andou noutra direção.

A interrupção do governo petista gerou a perda do patrocinador master. Equívocos ao contratar, a arena caríssima de Itaquera, que na prática foi devaneio politiqueiro, e folha de pagamento maior que o potencial dos jogadores geram dificuldades.

Tudo aconteceu enquanto os números em campo foram positivos.   

O clube, ao contrário de S. Paulo e do Flamengo, tem dificuldade para negociar seus atletas por valores elogiáveis.

Na saída de Malcom, que desde os 12 anos foi da equipe, o Corinthians levou 30%.

Na de Renato Augusto, metade dos 8 milhões de Euros foram para o clube.

Na de Jadson, após a temporada de alto nível em 2015, 30% dos 5 milhões da moeda europeia.

Love foi à França, como Ralf para a China, pois suas rescisões custavam a bagatela de 1 milhão de euros cada.

O zagueiro Marquinhos foi por 3 milhões de euros.

Everton Ribeiro foi para o Coritiba, pois não era utilizado.

Citei apenas alguns negócios.

A estratégia

Lembro que Andrés Sanchez era vice de futebol no mandato  em que o time foi para a segundona.

Mas renunciou ao cargo antes do barco afundar.

Era o presidente no rebaixamento.

Parte dos problemas financeiros que geraram o rebaixamento foram herdados da parceria da MSI, que o cartola bancou, e que continua afirmando ter sido positiva.

A opinião

Relembro que a fase mais bem-sucedida dele, como mandatário, foi no governo Lula e no resquício do mesmo, quando teve trânsito grande na Cbf, apoiando e ajudando R. Teixeira na eleição, implodido o clube dos 13, tudo no período de preparação da Copa do Mundo, com patrocínio estatal na camisa.

No atual momento, em condição igual a dos outros cartolas, pouco tem produzido.

A importância de A. Sánchez foi e continua sendo inegável no Corinthians.

Respeito as opiniões contrárias.

O gigante

É possível recuperar o Corinthians.

O momento exige alteração nas políticas do clube.

Qualquer time com 30 milhões de torcedores pode ser rico e elogiável no futebol.

Muita saúde e paz a todos. 

Fonte: Vitor Birner

Artigo Original

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *